História do CAMSA

O Centro Acadêmico de Medicina Sérgio Arouca (CAMSA) é o órgão representativo dos estudantes do curso de Medicina da UFSCar fundado em 2007. Um Centro Acadêmico tem a função de representar os alunos por meio de uma estrutura organizada que divide seus integrantes em frentes prioritárias de trabalho. Há fomento de diversas atividades, como reuniões, debates, oficinas, fóruns, encontros, seminários, congressos, ligas acadêmicas, festas, representação junto ao departamento, criação de documentos, que garantem uma atualização constante dos mecanismos e atores universitários em busca, acima de tudo, da nossa melhor formação médica e da realização de nossos interesses coletivos, como alunos.

 

Por que homenagear Sérgio Arouca? Ele foi um dos principais idealizadores da Reforma Sanitária no Brasil, que culminou com a criação do SUS. Sanitarista, professor, pesquisador, parlamentar, ocupante de cargos no Executivo, em suma: um cidadão comprometido com a vontade de tornar o Brasil um país mais justo. O Centauro Quíron, é um importante símbolo da profissão médica, escolhido para simbolizar nosso Centro Acadêmico, foi preceptor de Aquiles e grande conhecedor das artes médicas, de acordo com a mitologia clássica.

 

A curta história do CAMSA inclui a organização de movimentos em busca de um ensino médico de qualidade e melhorias no sistema de saúde, com uma atuação sempre ativa dos estudantes frente às dificuldades que surgiam no contexto de um curso em formação. A chance apresentada ao nosso CA, de ser fundado para representar alunos de um curso novo com um currículo inovador que exige a participação discente nos seus processos de construção e manutenção permanente, é dificilmente encontrada em outros cursos de Medicina. Em 2009, tivemos a primeira Paralização dos Estudante de Medicina da UFSCar e, no ano passado, a Greve dos Estudantes do Primeiro ao Quarto Anos, sendo períodos de muita luta e empenho dos estudantes em busca da concretização desse curso com uma proposta tão promissora. Os resultados vieram, mas ainda há muito a se fazer! Como aprendemos aqui, a construção é constante na espiral, que pede para ser construída, desconstruída e reconstruída na busca da promoção de um ensino médico de excelência e de um sistema de saúde de qualidade.

“É sempre fundamental estar trabalhando com utopias; entretanto, numa determinada conjunção de forças políticas, essas propostas ganham força e acabam se tornando realidade.”

Sérgio Arouca

Stephania de Araújo Rodrigues

Coordenadora Geral na Gestão 2013-14

  • RSS
  • Email
  • Facebook
  • Google+
  • Twitter
  • Flickr
  • YouTube