Bem-vindo, bixo!

0 Comentários // em Destaque Medicina Rede Escola São Carlos SUS UFSCar // 22 de janeiro de 2014

Bem vindo, bixo!

Bem-vindo à Medicina UFSCar!

Bem-vindo, bixo! Agora você é um universitário, um estudante de Medicina e faz parte da família Med UFSCar! Só você sabe como foi sua luta para chegar até aqui, mas nós temos certeza de que você é merecedor! PARABÉNS!

Sabemos o quão curioso e ansioso você deve estar nesse momento e a hora de suas dúvidas serem esclarecidas chegou!

O curso de Medicina da UFSCar

Você, provavelmente, já leu por aí que o curso de Medicina da Universidade Federal de São Carlos é um curso relativamente novo – e é. O curso abriu as portas no ano de 2006, sendo pioneiro no projeto governamental de abertura de escolas médicas (REUNI) e, portanto, recebe a 9ª (nona) turma neste ano de 2014.

Você também já deve ter lido que o curso de Medicina da UFSCar não segue o “modelo tradicional” de ensino das escolas médicas, e adota o PBL – Problem Based Learning – ou, no português, Aprendizado Baseado em Problemas (ABP). Mas o que é PBL? O método PBL é uma estratégia didático-pedagógica centrada no aluno. Tem sido aplicado em algumas escolas nos últimos 30 anos e trata-se de um método de eficiência comprovada por inúmeras pesquisas no campo da psicopedagogia e da avaliação de desempenho dos profissionais formados por esse método. Não se trata portanto, de método experimental. As escolas pioneiras na adoção do método são as escolas de McMaster, no Canadá, e a de Maastricht, na Holanda. Na última década o método tem se difundido e outras escolas o têm adotado, dentre elas, as escolas americanas de Albuquerque, Harvard e Havaí, entre outras.

E como é estudar em um curso que adota o método PBL? Diferente do método tradicional, você não terá aulas de anatomia ou fisiologia na aprendizagem baseada em problemas. Ao invés disso, uma situação problema será apresentada a você e a seu grupo (cerca de 10 pessoas) por um professor que, no PBL, assume a função de facilitador do processo ensino-aprendizado. O papel dos alunos será, portanto, levantar os problemas relacionados à situação descrita, sejam esses de aspecto biológico, psicológico ou social. A segunda etapa consiste em formular hipóteses que exprimam o raciocínio do grupo em relação aos problemas. Essas hipóteses servirão de base para a formulação de questões que investigarão os problemas que geraram “desconforto” no grupo. Neste primeiro momento, não haverá resposta, haverá apenas o desconforto causado pela falta do conhecimento. Após este encontro, fica combinado que os alunos terão alguns dias para buscar informações em diversas fontes com o intuito de eliminar as lacunas que surgiram. Depois desta busca de alguns dias, há um novo encontro em que os alunos apresentam os resultados de suas pesquisas e constroem juntos o conhecimento para resolver a situação problema apresentada. Essa é a disciplina Situação Problema.

E o que mais? Por ter uma metodologia baseada em problemas, o curso de Medicina da UFSCar também se volta para a realidade do sistema de saúde vigente para capacitar seus estudantes. Para isso, os alunos são integrados ao sistema de saúde do município de São Carlos desde o 1º ano, começando pelas USF’s (Unidades de Saúde da Família), passando por UBS’ (Unidades Básicas de Saúde), até chegar no hospital. A atividade permite ao aluno, além do contato com a realidade do sistema de saúde público desde o início, desenvolver um olhar crítico sobre o mesmo, conhecendo e identificando características do Sistema Único de Saúde, entrando em contato com o que é mais prevalente na população, e, sobretudo, entendendo a verdadeira dimensão e significado do cuidado em saúde. Essa é a disciplina Reflexão da Prática e Prática Profissional em Saúde.

Antes de começar a atuar na rede, porém, os alunos precisam estar preparados. E essa preparação é desenvolvida na disciplina Estação de Simulação, na qual os alunos simulam atividades da realidade da prática profissional com atores treinados, em um ambiente protegido, sob a supervisão de um professor e de um colega. As simulações acompanham os alunos até o 4º ano, e sua complexidade e nível de abrangência do ser humano aumentam gradativamente, visando preparar o aluno para as situações que possivelmente viverá nos estágios práticos.

Queremos conhecê-lo, bixo! O grupo “Vestibulandos Medicina UFSCar”, no Facebook, foi feito para abrir um canal de comunicação entre vestibulandos, calouros e veteranos da Medicina UFSCar! Participe!

Manifesto de Greve dos Estudantes de Medicina da UFSCar

0 Comentários // em CAMSA Destaque Greve Medicina Movimento Estudantil Paralisação São Carlos SUS UFSCar // 31 de março de 2013

Manifesto de Greve dos Estudantes de Medicina da UFSCar

“Quem não se movimenta, não sente as correntes que o prendem”. - Rosa Luxemburgo

Nós, estudantes de medicina da UFSCar, vimos pelo presente documento expressamente divulgar e apontar nosso descontentamento frente ao contínuo sucateamento do curso médico oferecido pela supracitada universidade. Exigimos que providências sejam tomadas pelas partes responsáveis, direta ou indiretamente, pela gestão, zelo e bom funcionamento da graduação em medicina. Exigimos um curso médico de qualidade a fim de poder, futuramente, oferecer um cuidado adequado à saúde da população em geral.

A paralisação total das atividades do primeiro ao quarto ano foi o único caminho restante vislumbrado pela maioria dos alunos. mesmo com um prejuízo imenso envolvendo carga horária, tempo de formação, exposição e a própria tensão psicológica surgida em tal atividade, tanto para professores como alunos, não desistiremos até que nossas reivindicações sejam atendidas. Não estamos exigindo nada além daquilo que nos foi prometido: “Um ensino médico de excelência, ousadia e compromisso social à luz das Diretrizes Curriculares Nacionais de Graduação em Medicina e dos princípios do Sistema Único de Saúde – SUS.” Infelizmente, nem o suporte básico à graduação bem como a questão assistencial em saúde à população serão possíveis enquanto não houver interesse e investimento nesse setor.

As reivindicações de nós, estudantes de medicina, vão muito além de uma questão intimista e pessoal. Ao contrário, atendem também ao suplício de toda uma população sedenta por um atendimento de excelência em saúde. Assim, esperamos por uma sensibilização das autoridades competentes quanto a essa questão e, mais, esperamos uma ação sinérgica entre todas as partes envolvidas para a resolução de tais agravos. Na busca de um ensino de excelência, na busca por um cuidado digo à população.

São Carlos, aos 15 de Março de 2013.
Estudantes de Medicina em Greve.

‘Texto retirado do Manifesto de  Greve dos Estudantes de Medicina da UFSCar.’

Leia aqui Manifesto na íntegra.

Ressuscitação Cardiopulmonar: Sua Chance de Salvar uma Vida

0 Comentários // em Destaque // 5 de dezembro de 2010

Rescucitação Caridiopulmonar - CAB

Nos Estados Unidos, acontecem, em média, 300.000 paradas cardíacas por ano. Dos pacientes que sofrem parada fora do hospital, apenas 10% sobrevivem. Quando a parada acontece dentro do hospital, a taxa de sobrevivência só chega a 20%. Alguns estudos demonstram que a cada minuto de parada cardíaca sem ressuscitação, a chance de sobrevivência cai entre 15 e 20%

As causas da parada cardíaca são as mais variadas, mas todas convergem com a falta de oxigenação grave dos tecidos do corpo, podendo causar sequelas ou leva a morte. Por isso ela é um evento dramático, que suscita muita investigação médica. Em 1960¸ Kouwenhoven e colegas propuseram uma técnica que revolucionou o atendimento às paradas cardíacas: a Ressuscitação Cardiopulmonar com tórax fechado, ou RCP – TF, que eliminou a necessidade de toracotomia – abertura do tórax – para a massagem cardíaca. Esse procedimento expandiu as possibilidades de intervenção em paradas cardíacas para além dos hospitais.

Desde então, muito se tem investido na difusão e no aprimoramento da técnica de RCP, não só entre médicos e outros profissionais de saúde, como também entre a comunidade leiga, que pode se deparar com uma parada cardíaca a qualquer momento. Nesse sentido, se destaca a American Heart Association, que, a cada cinco anos, reúne um comitê de especialistas em ressuscitação do mundo todo para revisar a literatura científica sobre o assunto e dar as diretrizes para os procedimentos que compõem o Suporte Básico de Vida e o Suporte Avançado de Vida em Cardiologia, que são hoje a base para o atendimento às paradas cardíacas. As mais novas diretrizes, tanto para suporte básico como avançado, foram lançadas recentemente, em outubro de 2010, e trazem importantes mudanças. Analisaremos a seguir os principais pontos de discussão e as mudanças para o Suporte Básico de Vida. Continue Lendo →

Metodologias ativas de ensino-aprendizagem

1 Comentário // em A Espiral Destaque // 16 de dezembro de 2009

Medicina UFSCar

Nas últimas décadas, descobertas e transformações de diversas áreas do conhecimento humano abriram caminho para uma reflexão profunda sobre os processos de criação e de transmissão dos saberes e, também, das estratégias de ensino-aprendizagem. Aprendemos que os conhecimentos são melhores adquiridos, recordados e usados quando ensinados, praticados e avaliados no ambiente em que serão utilizados. Atravessamos um processo de acumulação exponencial e de constante renovação dos conhecimentos exigidos no ambiente profissional. O acesso aos serviços de saúde foi ampliado e, agora, é considerado um direito social. Isso, aliado a outros mecanismos de propagação de conhecimentos, ocasionou um maior acesso às informações sobre saúde. As pessoas estão mais conscientes acerca dos seus direitos e dos cuidados para com si mesmas. Dessa forma, a expectativa dos usuários destes serviços foi alterada e, principalmente, as relações deles com os profissionais que os atendem se constitui através de novos significados. No âmbito da saúde coletiva, ocorreu uma mudança no perfil epidemiológico da população de nosso país, com predomínio crescente das doenças crônico-degenerativas, que envolve transformações das estratégias e ações em saúde. As experiências têm nos mostrado que as necessidades de saúde são complexas e que o cuidar integralmente da saúde das pessoas requer conhecimentos interdisciplinares e uma abordagem multiprofissional. Continue Lendo →

Perfil do médico a ser formado

0 Comentários // em A Espiral Destaque //

Medicina UFSCar

O perfil do médico a ser formado pela UFSCar serve para orientar o trajeto dos estudantes no curso, visando, ao final, a satisfação de todos seus quesitos por cada estudante. O perfil aborda três áreas de competência: saúde, gestão e educação. Continue Lendo →

Página 2 de 212
  • RSS
  • Email
  • Facebook
  • Google+
  • Twitter
  • Flickr
  • YouTube