Curso de Medicina da UFSCar entre os seis cursos de medicina públicos com os melhores desempenhos no exame do CREMESP

1 Comentário // em Destaque Medicina UFSCar // 21 de fevereiro de 2014

O curso de Medicina da UFSCar ficou entre os seis cursos de medicina com os melhores desempenhos na prova do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo – CREMESP. Dentre as 28 escolas de medicina do estado de São Paulo avaliadas, estão instituições como FAMEMA (Marília), FAMERP (São José do Rio Preto), FMABC, FMJ (Jundiaí), FMRP/USP (Ribeirão Preto), FMUSP, PUC-SP (Sorocaba), Santa Casa, UNESP (Botucatu), UNICAMP (Campinas), UNIFESP, entre outras.

A média do curso de Medicina da UFSCar foi de 64.61, quase 10 pontos acima da média geral, que foi 55.08, apenas confirmando o desempenho do exame anterior, no qual a média da UFSCar foi de 65.7 contra 57.5 da média geral.

Resultados (média dos alunos da UFSCar) por áreas:

Clínica Médica: 64.00 (média geral: 51.82);
Clínica Cirúrgica: 55.50 (média geral: 51.49);
Pediatria: 56.70 (média geral: 47.25);
Ginecologia: 72.97 (média geral: 56.19);
Obstetrícia: 67.95 (média geral: 64.62);
Saúde Mental: 69.89 (média geral: 61.48);
Saúde Pública e Epidemiologia: 71.05 (média geral: 58.77);
Ciências Básicas: 73.95 (média geral: 63.10);
Bioética: 79.61 (média geral: 63.80).

Parabéns, turma III!

Aprovados em Residência Médica – 2014

3 Comentários // em Destaque Medicina Residência Médica UFSCar // 18 de fevereiro de 2014

O ano de 2014 na Medicina UFSCar começará assim: nove anos de curso, três turmas formadas e muitos novos residentes!

  • Marcela Capucho Chiarantin – Infectologia - UNIFESP, Emílio Ribas (1° lugar);
  • Brunna Oliveira – Radiologia - UNIFESP, Santa Casa de São Paulo, USP-SP, USP-RP;
  • Thiago Lima Taffo – Ortopedia - FAMERP, Santa Casa de São Paulo, SMS, FMABC, Albert Einstein;
  • Bruno Paschoa – Ortopedia - FAMERP (2º lugar);
  • Guilherme Avanço – Clínica Médica - Santa Casa, UNICAMP, UNESP (2º lugar) , USP-RP, UNIFESP, FAMERP;
  • Mayumi Nakasone – Pediatria - USP-RP, UNESP, UNIFESP, UNICAMP, Santa Casa;
  • Samia Barbar – Pediatria - USP-RP, UNIFESP, FAMERP, USP-SP;
  • Rachel Samhan – Pediatria - USP-RP;
  • Rubens Barrica – Anestesiologia - UNICAMP;
  • Raphaela Martins Muniz Moreira – Clínica Médica - Santa Casa de São Paulo, Jundiaí (1º lugar);
  • Juliana Honorato – GO - PUC Sorocaba, Santa Casa, SMS (1º lugar);
  • Larissa Yuri Yaegaschi – Oftalmologia - UNESP, USP-SP;
  • Raíssa Pavoni Gomes – Clínica Médica - UNESP;
  • Letícia de Franceschi – Cirurgia Geral - UNESP, FAMERP, USP-RP, USP-SP;
  • Marina de Barros Rodrigues – Pediatria - UNESP;
  • Marília Pereira Graner – Neurologia - UNESP, USP-RP, UNICAMP;
  • Kelly Emi Handa – GO - UNESP (2° lugar), SUS-SP, Santa Casa;
  • Wilson Koike – GO - UNESP (3° lugar);
  • Bruno Signoretti – Ortopedia - Santa Casa;
  • Natália Nakahara – Clínica Médica - UNESP (1º lugar), USP-RP;
  • Felipe Domingues Vasconcelos – Cirurgia Geral - IAMSPE (1º lugar), UNESP, UNICAMP;
  • Diego Yuji Ito – Cirurgia Geral - IAMSPE , SMS (HSPM – SP), SUS, UNIFESP;
  • Jonas de Almeida – Anestesiologia - UNICAMP, HMSJC (2° lugar), IAMSPE  / GO - SMS ;
  • Marcelo Figueiredo Alves – Radiologia - SUS-SP Hospital de Câncer de Barretos;
  • Cibele Mendes Carrera-  Medicina de Familia e Comunidade - UNICAMP, UNIFESP, USP-SP;
  • Rafael Pivovar – Cirurgia Geral - Hospital do Mandarui – SUS-SP;
  • Eric Drizlionoks – Cirurgia Geral - Santa Marcelina – SUS-SP, UNIFESP, UNICAMP;
  • Fernanda Azôr – Cirurgia Geral - Santa Casa de São José do Rio Preto;
  • Mariana Bueno da Silva San Felice – Pediatria – PUC Campinas, UNICAMP;
  • Thiago Parolo – Radiologia – FAMEMA / Medicina Nuclear – UNICAMP;
  • Rafael Barreto – GO - UNESP;
  • Caio Felício – Cirurgia Geral – SUS IPIRANGA;
  • Renata Koh – Pediatria – IAMSPE;
  • Letícia Antunes – Clínica Médica - Hospital do Servidor Público Municipal – SMS – SP, Santa Casa;
  • Thais Colacioppo – Neurologia - IAMSPE;
  • Bruna Okada - Otorrinolaringologia - FAMEMA;
  • Fernanda Monteiro Orellana – Cirurgia Geral – Santa Casa de São Paulo;
  • Lais Ismail – Clínica Médica – HMSJC;
  • Leandro de Pádua Lizareli Paes – Radiologia – UFMG, UNIFESP;
  • Nádia Sanches – Clínica Médica - Santa Casa de São Paulo;
  • Luca Pivetta – Cirurgia Geral - Hospital Estadual Vila Alpina;
  • Ana Carolina Reiff Janini- Anestesiologia- Hospital Padre Albino – Catanduva;
  • Francine Correard Monteiro – Pediatria - SUS-SP.

O ano de 2013 não foi diferente, e serão muitos os R2 em 2014:

  • Soraya Sasaoka – Pediatria - UNESP;
  • Karina Secco - Clínica Médica – UNESP, IAMSPE, UNICAMP e UNIFESP;
  • Camila de Angelis – Patologia – UNESP, UNICAMP, UNIFESP, IAMSPE;
  • Alisson Pugliesi – Clínica Médica – UNICAMP, Santa Casa;
  • Vicente Faggion – Acupuntura – USP, IAMSPE;
  • Nádia Korkischko – Cirurgia Geral - SUS, FMUSP;
  • Vinicius Campos de Molla – Clínica Médica – FMRP-USP, UNESP, Santa Casa;
  • Natália Gianini – Cirurgia Geral – FMRP-USP;
  • Sabrina Boni – Pediatria – FMRP-USP, Santa Casa de SP e PUC- Sorocaba;
  • Renan Marangoni – Cirurgia Geral – FAMEMA;
  • Karina Silva – Psiquiatria – UNICAMP;
  • Arthur Zorzi – Ortopedia – FAMEMA;
  • Edison Fagá – Psiquiatria – Candido Ferreira, IAMSPE, FMRP-USP, UNIFESP;
  • Welder Zamoner – Clinica Médica – UNESP;
  • Roberta Novaes – Pediatria – UNICAMP;
  • Maria Carolina Sarmento – Ortopedia - FAMEMA;
  • Fernanda Emy Yamamoto – Clínica Médica - UNICAMP;
  • Diego Ito – Cirurgia Geral – Heliópolis (não assumiu);
  • Paulo Werner – Clínica Médica – UNICAMP;
  • Francine Correard Monteiro – Pediatria - SUS-SP;
  • Hugo Tadeu Amaral – Clínica Médica – UNESP;
  • Alessandra Carbinatto – Clínica Médica  -UNESP.

Três turmas formadas é sinônimo de R3 em 2014:

  • Guilherme Casale – Cardiologia – INCOR-HC-FMUSP;
  • Ana Cecília Lessa – Cancerologia Clínica – Hospital do Câncer de Barretos – SUS-SP;
  • Marcos Antonio Francisco – UTI Pediátrica - USP-RP;
  • Paula Rossi – Gastropediatria – UNICAMP, UNESP;
  • Marília Braga – Pneumopediatria – UNIFESP, USP-SP;
  • Helena Moretto – Pneumopediatria – UNICAMP;
  • Fernanda Paixão – Emergência Pediátrica – USP-SP;
  • Cíntia Shoji – Medicina Intensiva - UNICAMP;
  • José Luís Teixeira – Cirurgia do Trauma – FAMERP / Cirurgia Avançada - Santa Casa de São Paulo.

Parabéns, doutores!
(Última atualização da lista: 14/03/2014; 17h45)

Bem-vindo, bixo!

0 Comentários // em Destaque Medicina Rede Escola São Carlos SUS UFSCar // 22 de janeiro de 2014

Bem vindo, bixo!

Bem-vindo à Medicina UFSCar!

Bem-vindo, bixo! Agora você é um universitário, um estudante de Medicina e faz parte da família Med UFSCar! Só você sabe como foi sua luta para chegar até aqui, mas nós temos certeza de que você é merecedor! PARABÉNS!

Sabemos o quão curioso e ansioso você deve estar nesse momento e a hora de suas dúvidas serem esclarecidas chegou!

O curso de Medicina da UFSCar

Você, provavelmente, já leu por aí que o curso de Medicina da Universidade Federal de São Carlos é um curso relativamente novo – e é. O curso abriu as portas no ano de 2006, sendo pioneiro no projeto governamental de abertura de escolas médicas (REUNI) e, portanto, recebe a 9ª (nona) turma neste ano de 2014.

Você também já deve ter lido que o curso de Medicina da UFSCar não segue o “modelo tradicional” de ensino das escolas médicas, e adota o PBL – Problem Based Learning – ou, no português, Aprendizado Baseado em Problemas (ABP). Mas o que é PBL? O método PBL é uma estratégia didático-pedagógica centrada no aluno. Tem sido aplicado em algumas escolas nos últimos 30 anos e trata-se de um método de eficiência comprovada por inúmeras pesquisas no campo da psicopedagogia e da avaliação de desempenho dos profissionais formados por esse método. Não se trata portanto, de método experimental. As escolas pioneiras na adoção do método são as escolas de McMaster, no Canadá, e a de Maastricht, na Holanda. Na última década o método tem se difundido e outras escolas o têm adotado, dentre elas, as escolas americanas de Albuquerque, Harvard e Havaí, entre outras.

E como é estudar em um curso que adota o método PBL? Diferente do método tradicional, você não terá aulas de anatomia ou fisiologia na aprendizagem baseada em problemas. Ao invés disso, uma situação problema será apresentada a você e a seu grupo (cerca de 10 pessoas) por um professor que, no PBL, assume a função de facilitador do processo ensino-aprendizado. O papel dos alunos será, portanto, levantar os problemas relacionados à situação descrita, sejam esses de aspecto biológico, psicológico ou social. A segunda etapa consiste em formular hipóteses que exprimam o raciocínio do grupo em relação aos problemas. Essas hipóteses servirão de base para a formulação de questões que investigarão os problemas que geraram “desconforto” no grupo. Neste primeiro momento, não haverá resposta, haverá apenas o desconforto causado pela falta do conhecimento. Após este encontro, fica combinado que os alunos terão alguns dias para buscar informações em diversas fontes com o intuito de eliminar as lacunas que surgiram. Depois desta busca de alguns dias, há um novo encontro em que os alunos apresentam os resultados de suas pesquisas e constroem juntos o conhecimento para resolver a situação problema apresentada. Essa é a disciplina Situação Problema.

E o que mais? Por ter uma metodologia baseada em problemas, o curso de Medicina da UFSCar também se volta para a realidade do sistema de saúde vigente para capacitar seus estudantes. Para isso, os alunos são integrados ao sistema de saúde do município de São Carlos desde o 1º ano, começando pelas USF’s (Unidades de Saúde da Família), passando por UBS’ (Unidades Básicas de Saúde), até chegar no hospital. A atividade permite ao aluno, além do contato com a realidade do sistema de saúde público desde o início, desenvolver um olhar crítico sobre o mesmo, conhecendo e identificando características do Sistema Único de Saúde, entrando em contato com o que é mais prevalente na população, e, sobretudo, entendendo a verdadeira dimensão e significado do cuidado em saúde. Essa é a disciplina Reflexão da Prática e Prática Profissional em Saúde.

Antes de começar a atuar na rede, porém, os alunos precisam estar preparados. E essa preparação é desenvolvida na disciplina Estação de Simulação, na qual os alunos simulam atividades da realidade da prática profissional com atores treinados, em um ambiente protegido, sob a supervisão de um professor e de um colega. As simulações acompanham os alunos até o 4º ano, e sua complexidade e nível de abrangência do ser humano aumentam gradativamente, visando preparar o aluno para as situações que possivelmente viverá nos estágios práticos.

Queremos conhecê-lo, bixo! O grupo “Vestibulandos Medicina UFSCar”, no Facebook, foi feito para abrir um canal de comunicação entre vestibulandos, calouros e veteranos da Medicina UFSCar! Participe!

CAMSA apoia movimento estudantil na FAMEMA

0 Comentários // em CAMSA DENEM Greve Medicina Movimento Estudantil // 12 de junho de 2013

Moção de Apoio aos Estudante da Faculdade de Medicina de Marília

 

O Centro Acadêmico de Medicina Sérgio Arouca vem manifestar apoio em nome dos estudantes de medicina da UFSCar aos alunos do curso de medicina da FAMEMA que se organizaram para reivindicar melhorias na estrutura de ensino e para isso vão paralisar às atividades no dia 25 de junho numa demonstração de insatisfação com a constante precarização que vem sofrendo.

        Nossos cursos possuem propostas e métodos parecidos e com isso compartilhamos muitas características positivas e pontos fortes . Compartilhamos também, infelizmente, muitos problemas. Nos colocamos então a disposição para dialogarmos e encontrarmos maneiras de superarmos as dificuldades nesse momento que vivemos de precarização e negligência com a educação médica para construirmos juntos as lutas por melhorias que reivindicamos.

        As manifestações por condições adequadas de ensino e atuação foram pauta do movimento de greve de estudantes na medicina da UFSCar e o apoio recebido do DACA nos motivou a continuar lutando por uma educação médica de qualidade. Declaramos que é completamente recíproco o apoio e nos colocamos a disposição para ajudar os estudantes nessa movimentação como for necessário.

 

São Carlos, 11 de Junho de 2013

Centro Acadêmico de Medicina Sérgio Arouca

 

DACA da FAMEMA manifesta seu apoio

0 Comentários // em CAMSA Greve Medicina Movimento Estudantil Notícias Paralisação UFSCar // 31 de março de 2013

Em moção de apoio publicada em sua página do facebook em 14 de março de 2013, o Diretório Acadêmico Cristiano Altenfelder, órgão de representação máxima dos estudantes de medicina da Faculdade de Medicina de Marília (FAMEMA), manifesta seu apoio e mais uma vez legitima o movimento de greve dos estudantes de medicina da UFSCar. Segue texto na íntegra:

“Marília, 14 de março de 2013.

MOÇÃO DE APOIO À GREVE DO ESTUDANTES DE MEDICINA DA UFSCAR

O Diretório Acadêmico Christiano Altenfelder, órgão de representação máxima dos estudantes de medicina da Faculdade de Medicina de Marília (Famema), manifesta seu apoio aos estudantes de medicina da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) que lutam por melhorias na graduação e decidiram em assembleia geral pela greve estudantil.

Entendemos que a a precarização do ensino, falta de professores e infraestrutura, são problemas comuns a muitos estudantes, e são consequência do sucateamento da universidade brasileira. Desta forma, todo o movimento estudantil deve se engajar na luta por uma educação de qualidade, à exemplo dos colegas da UFSCar que estão se mobilizando em defesa dos interesses estudantis e da população que merece ser atendida por médicos bem formados, críticos e competentes para exercer sua profissão.

Nos colocamos à disposição para colaborar com os colegas nessa luta!

Todo apoio à luta dos estudantes!

Diretório Acadêmico Christiano Altenfelter – DACA Famema
Gestão 2012/2013 – “Construção””

DACA da FAMEMA manifesta seu apoio

 Informe-se mais em nosso blog da greve.

Página 2 de 512345
  • RSS
  • Email
  • Facebook
  • Google+
  • Twitter
  • Flickr
  • YouTube